Cochliomyia hominivorax

 Agente causador   da doença "Miíase".

O que é a miíase?

A miíase, popularmente chamada como bicheira, é uma doença caracterizada pela presença de larvas de moscas (díptera - que possuem duas asas) em órgãos e tecidos do homem ou de outros animais vertebrados, onde elas se nutrem e desenvolvem.

E, como essa doença é caracterizada no Brasil?

No Brasil, o principal gênero de mosca responsável por infestar o homem é Cochliomyia, sendo a espécie mais frequente a C. hominivorax, também conhecida como moscas varejeiras.

As pessoas mais afetadas pela doença nas regiões rurais são moradores com baixo nível socioeconômico, que tenham contato intimo com animais, e que dispõem de condições de higiene precárias. Nas regiões urbanas, as pessoas mais afetadas são os indivíduos com hábitos precários de higiene, baixo nível de escolaridade, pacientes com distúrbios psiquiátricos, que fazem uso excessivo de álcool, diabéticos ou imunodeprimidos.

Quais as características dessa mosca?

A forma adulta mede de 8 a 10 mm de comprimento, possui coloração verde ou azul metálica e têm três listras negras longitudinais no tórax. Além disso, estes insetos são holometábolos, ou seja, apresentam metamorfose completa, passando pelos estágios de ovo, larva, pupa e a fase adulta.

Como ocorre a contaminação?

A contaminação ocorre quando as moscas-varejeiras depositam seus ovos nas bordas de feridas, ferimentos recentes e ou em cavidades naturais. As larvas nascem e começam a se alimentar dos tecidos do homem, saudáveis ou feridos, e/ou de líquidos corporais para se desenvolver. Abandonam a ferida e atingem o solo, enterram-se para se transformarem em pupa e, depois, surgem completando o ciclo e atingindo a fase adulta (Teixeira, 2013).

Completam o ciclo atingindo a fase adulta: MOSCA-VAREJEIRA

Transformam-se em PUPA.

Mosca-varejeira deposita seus OVOS sobre tecidos saudáveis, ferimentos ou cavidades naturais do hospedeiro.

As LARVAS nascem e se alimentam dos tecidos ou líquidos corporais. Abandonam a ferida e atingem o solo.

HOSPEDEIROS: seres humanos e animais vertebrados.

Como é feito o diagnóstico e o tratamento?

​O diagnóstico é feito pelo exame clinico, no qual o médico identifica a presença de larvas.​

O tratamento, se dá pela limpeza e retirada das larvas das lesões e, se necessário, uso de antibióticos.

O que fazer para evitar a miíase?

- Controle do contato com as moscas por meio  do uso de repelentes e telas em janelas e portas.

- Uso de roupas compridas e;

- Bons hábitos de higiene.

Conheça os nossos materiais

Nos links abaixo você encontrará uma atividade educativa sobre este assunto e um infográfico com as principais informações. Imprima e divirta-se com seus amigos divulgando essas informações:

  • Atividade educativa sobre o patógeno

  • Infográfico do patógeno para a divulgação em mídias sociais

Referências Bibliográficas

  1. MARQUEZ, A.T.; MATTOS, M.S.; NASCIMENTO, S.B. Miíases associadas com alguns fatores sócio-econômicos em cinco áreas urbanas do Estado do Rio de Janeiro. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical 40(2):175-180, mar-abr, 2007.

  2. MARTINS, L.G.V. Identificação de casos de miíases em pacientes de unidades de saúde de Natal/RN. 2018. Dissertação (Mestrado)- Curso de Pós-graduação em Ciências Biológicas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Natal, 2018.

  3. QUEIROZ, M.M.C.; DUARTE, M.L.; BRAGA, M.V.; CORTINHAS, L.B. Identificação das espécies causadoras de miíases em humanos provenientes dos serviços de saúde do município de Nova Iguaçu, RJ, entre os anos de 2017 e 2018. Revista de Saúde. 2019 jul./Dez; 10 (2): 37-42.

  4. TEIXEIRA, D.G. Principais dípteros causadores de miíase. 2013. Seminário (Mestrado) – Curso de pós-graduação em ciência animal, Universidade Federal de Goiás. Goiás, 2013.

  • Facebook - White Circle
This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now